Arquivo mensal: abril 2010

Gossip Girl S03E18: Verdades e Mentiras

“Gossip Girl” já está se encaminhando para o final da temporada e com isso os episódios têm ganhado uma certa intensidade. No 18º, The Unblairable Lightness of Being”, as várias relações que vem sendo costuradas ao longo da temporada ganham destaque e revelam suas fragilidades. Apesar de ter sido um episódio sem fortes emoções (vamos combinar que tivemos outros bem melhores), este funcionou para deixar todos os ganchos para o seguinte, que vai ar nesta segunda-feira, 26, nos EUA.

O episódio mostrou como nossos queridos moradores do Upper East Side têm problemas de confiança. Cercados por mentiras, nenhum deles parece confiar nem na própria sombra e isso reflete nas diversas relações dos personagens. Neste episódio, todos se envolvem em suas mentiras e naquilo que acreditam ser verdade. Serena mente porque busca a verdade sobre o pai. Jenny mente porque na verdade ama Nate. Chuck mente para fingir que estava certo, Blair mente para fingir que está tudo bem quando na verdade não está, Lily mente…sei lá por que ela mente!

Desiludida (só consigo pensar nesta palavra para definir), Blair se vê lutando para entender o que é certo e errado em sua relação com Chuck. Depois de perceber que foi mais um peão nos jogos do namorado, ela até tenta se convencer de que aquilo foi um ato de amor e Chuck, já de volta a sua origem de sem noção quando o assunto é sentimento, se aproveita desta fragilidade para tentar uma reconciliação. A mentira não dura muito e eles terminam.

Eu torço muito por este casal, de verdade. Eles levam a trama e talvez por isso nós fãs tenhamos que nos consolar e acreditar nos roteiristas (que estão se provando bons) de que a separação e o drama são necessários para o andamento da série. Além disso, eu confesso que aprecio o drama. Gosto de ter lagriminhas no canto dos olhos toda vez que a Blair chora com a dor do amor por Chuck. Foi sensacional ela dizendo: “não achava que era possível amar alguém demais, mas talvez seja“. (Ui, arrepiei)

Além do drama de Blair e Chuck, Nate e Serena também andam tendo problemas e as coisas só pioram quando Carter aparece (eu adoro quando ele aparece!). Nesta ânsia louca que ela tem de tentar encontrar o pai, Serena tentou esconder sua busca de Nate. Como uma boa Van der Woodsen, ela não gosta de esclarecer nada. Para quê, né? O pior (ou seria o melhor?) nesta história toda é que Little J é só planinhos malignos para ficar com Nate. Eu meio que já enchi o saco. Ok. Estava bem legal ela se metendo em confusões, mas hello! Ela é chamada de Little por uma razão óbvia: é aprendiz. Então, agora, eu tô esperando a Serena descobrir- já deu ela de inocente levando uma atrás da outra sem nem saber- e partir para cima da projeto de bad girl com tudo.

Além destes casos todos, nos vemos mais uma vez esperando Lilly contar para Rufus o que raios está fazendo que não volta para casa. Mas, uepa!, ela tá em Nova York no quarto do ex-marido. Nesta hora, eu juro que quis gritar! Car****! É bom esse babado ser forte. Tudo bem que o mistério nos rendeu uns bons momentos ao longo da temporada, mas o que o Sr.Van Der Woodsen tem para estar tão bem escondido? Eu nem palpites tenho.

O pano de fundo do episódio com o casamento de Dorota e Vanya foi bem legal. Além disso, Eric voltou e já arranjou um peguete, mas que é bi. Algo me diz, que ele pode se ver em meio a um triângulo, resta saber se ele vai querer. E Humphrey…hmmm…continua Humphrey. E eu nem quero ver ele se engraçando com a Blair. Era só o que me faltava! Também é sempre bom ver a Eleonor e o Cyrus. Bom, os ganchos estão aí nos resta ver o próximo e esperar que esteja a altura de nossas espectativas.

Anúncios

Post-it completa de 30 anos de sucesso muito além do escritório

Nesta segunda-feira, 26, o “Post-it”, aqueles quadradinhos adesivos que usamos para fazer lembretes e anotações e remetem a vida no escritório, comemora 30 anos de sucesso. Os papeiszinhos inventados pelo americanos Arthur Fry e Spencer Silver estão no mercado desde o início dos anos 80 e de lá pra cá, apesar de todo o tipo de modernidade já inventada (incusive uma versão digital do Post-it), continuam fazendo sucesso. E para muito além do escritório.

Pop que só eles, os quadradinhos coloridos costumam aparecer também em séries e filmes. Quem não se lembra que Meredith e Derek se casaram com um Post-it? E Carrie que levou um pé na bunda de Berger na sexta temporada de “Sex and the City” por um Post-it?

O Post-it nasceu de uma ideia fracassada: Spencer tentava desenvolver uma cola, mas não teve sucesso, já que o produto não tinha muita aderência. Anos depois, Arthur criou o conceito dos bloquinho adesivos, que usavam a tal cola do amigo, depois de ter se irritado por perder a missa de domingo. Ao longo destes 30 anos, a marca se expandiu e existem todo o tipo de bloquinhos adesivos. Porém, legal mesmo é ver a criatividade de algumas pessoas que usam o Post-It e seu conceito para criar coisas bacanas como o curta abaixo:

De volta para o futuro: A moda em Hollywood é fazer remakes

Se você gosta de cinema e costuma acompanhar as notícias vindas de Hollywood já deve ter percebido que a moda por lá agora é produzir remakes. Os filmes mais cotados para ganharem a “nova versão” são os que fizeram sucesso nos anos 80 e na enorme lista (sim, serão pelo menos 30 remakes!) das produtoras estão clássicos como “De volta para o futuro”, “Sexta Feira 13″,”A hora do pesadelo”, “Loucademia de polícia”, “Poltergeist”, “Robocop”, “Footlose” e “Karatê Kid”.

Além dos remakes de clássicos dos anos 80, os estúdios ainda se preparam para investirem em novas versões de “A primeira noite de um homem”, “Os pássaros”, de Hitchcock e “Viagem Fantástica”, que será produzido por James Cameron. As razões para tanto gosto pelos remakes são várias e a revista “Variety” listou algumas. São elas:

– Cerca de 30 anos depois do lançamento original de alguns filmes, há um novo público jovem pronto para receber estes filmes.

– Remakes, especialmente os de filme de terror, são mais baratos de produzir porque geralmente os estúdios contam com um elenco jovem e ainda iniciante na carreira cinematográfica. Como, por exemplo, o ator Kellan Lutz (o vampiro Emmett de “Crepuscúlo”) em “A hora do pesadelo”.

-Filmes que antes não puderam se desenvolver completamente na parte de efeitos especiais podem ganhar um visual completamente novo e mais atraente.

-Sequências geralemente faturam 30% a menos que o filme original, por isso faz mais sentido começar a produzir um filme do zero dando uma nova cara e tornando-o mais atraente ao públcio alvo. Um remake parece mais novidade do que uma continuação.

Além destes fatores, personagens fortes no imaginário do público como os heróis das HQs, James Bond e até mesmo Godzilla sempre chamam atenção. Com novos enfoques, algumas franquias conseguem ter sucesso com um novo público e, no caso de personagens como Batman e Bond, até mesmo com seus antigos fãs.

Eu costumo fazer cara feia para remakes porque em sua maioria eles são apenas novos filmes que lembram muito de longe o filme original e só se apoderam do nome para atrair atenção. Porém, como deu para perceber na reportagem da “Variety”, os estúdios não estão nem um pouco preocupados com nossa memória afetiva e estão mandando ver nas filmagens. É esperar (ou rezar) para ver se algo de bom sai destas novas versões. Eu tenho muitas dúvidas, mas vai que alguém tem uma ideia genial em algum momento e consegue reverter essa história?

Por onde anda o elenco de ‘Blossom’?

O “Por onde anda?” desta vez é com o elenco da série “Blossom”. Para quem não se lembra, “Blossom” fez muito sucesso nos anos 90 contando a história de uma adolescente de 15 anos e sua família nada comum. Blossom era a inteligente da família e sempre tinha tiradas ótimas. Com ela, viviam o pai, um músico, e os irmão Joey, que “se acha”, mas é bem burrinho, e Anthony, que se recupera do vício em drogas. Além da vida em família, Blossom contava sempre com a sua melhor amiga, Six, menina descolada que fala muito e muito rápido (Alguém aí lembrou de Gilmore Girls?).

Mayim Bialik, a Blossom: A protagonista da série não emplacou nenhum grande papel desde o fim de “Blossom” em 1995. Com o fim da série, ela fez diversos trabalhos de dublagem em desenhos animados como “Hey, Arnold” e “Kim Possible”. Somente em 2005, ela retornou à TV para atuar. Desde então, ela já fez pequenos papéis em séries como “Fat actress”, “Curb your enthusiasm”, “Bones”, “Saving Grace”, “The secret life of an american teenager” e “Til’ Death”. Fora da carreira de atriz, Mayim tem um Ph.D em neurociência pela UCLA e é casada com Michael, com quem tem dois filhos. Atualmente, ela vive Amy, uma espécie de versão feminina de Sheldon em “The Big Bang Theory”.
Joseph Lawrence, o Joey: O irmão bonitão de Blossom, que era conhecido pela interjeição “Uou!” na série, também não teve muito sucesso na carreira com o fim da série. Diferentemente de Mayim, Joseph se dedicou mais ao cinema e apareceu em alguns filmes como “Lenda Urbana 2”. Em 2003, ele voltou à TV fazendo participação em alguns episódios da já cancelada “American Dreams”. Joseph também participou em três episódios da terceira temporada de “CSI: NY” e recentemente terminou de gravar o filme “Sinatra Club”. Update: Agora, ele estrela a comédia “Melissa e Joey” ao lado da atriz Melissa Joan hart, conhecida pelo papel da bruxinha Sabrina em “Sabrina, aprendiz de feiticeira”.
Jenna Von Oÿ, a Six: Com o fim de “Blossom”, Jenna continuou na TV e em 1999 ganhou um papel na spin-off “The Parkers”, que tinha como protagonista a atriz Mo’Nique (a mesma que levou o Oscar de melhor atriz coadjuvante este ano por “Preciosa”). A série foi cancelada em 2004 e a carreira  televisiva de Jenna desandou. Ela fez uma pequena participação em “Cold Case” em 2005 e mais recentementea gravou uma participação na série “Til’ Death”, ssim como Mayim. O episódio vai ao ar no dia 25 de abril. Ah! Ela também canta. Seu primeiro CD de música country se chama “Breathing Room” e foi lançado em 2007.
Ted Wass, Nick Russo (o pai da Blossom): Ted é o mais bem-sucedido do elenco. Depois de “Blossom”, ele continuou na televisão, mas como diretor. Seu currículo incluem séries como “Spin City”, “Carol in the city”, “Til’ Death” (o que explica muita coisa!), “The Big Bang Theory” (apenas um episódio), “Two and a half man”, “Everybody hates Chris”, “Rules of engagement”, “Brothers” e a mais recente “Accidentally on purpose”. Ele é casado com a produtora Nina Wass e tem dois filhos de seu primeiro casamento (ele ficou viúvo).
Michal Stoyanov, o Anthony: Com o fim da série, Michael se tornou um dos roteiristas do programa “Late Night with Conan O’Brien”  e diz que se arrependeu. A vida de roteirista não deu certo e nem sua carreira como ator. Ele chegou a aprticipar de alguns episódios de “Barrados no Baile” em 1996 e depois fez pequenas participações em outra séries como “Prison Break”. Em 2008, ele viveu um dos capangas do Coringa em “Batman, O cavaleiro das Trevas”. Em 2009, gravou “The Mentalist” e “Monk”.
Em 2009, as duas primeiras temporadas da série foram lançadas em DVD. O canal CBS chegou a fazer uma entrevista com Mayim e Joseph na ocasião. Veja no vídeo abaixo:

Gossip Girl S03e17: É cada um por si

Os últimos episódios desta terceira temporada de Gossip Girl estão provando que a série é boa e que a história está bem amarrada. É muito bom sentir que cada cena e cada pedaço da história estão caminhando para algum lugar e que fazem sentido para a narrativa de cada personagem. Por isso, vamos aos comentários do último episódio: “Inglorious Bassterds” (by the way: amo cada vez mais os trocadilhos usados nos títulos dos episódios!).

Se o episódio anterior foi marcado pelos retornos este foi para nos relembrar que no Upper East Side costuma ser cada um por si. “Ingloripus Bassterds” me lembrou muito os da primeira temporada, em que todos estavam sempre envolvidos em uma espécie de jogo (bem lembrada pela ideia do aniversário de Nate). A Little J, que no último episódio retornou ao antigo emprego e tentou se redimir, nos mostrou que realmente de santa ela não tem nada (disso eu nunca duvidei) muito menos de menina iludida com o high society. Ela quer estar ali e mais: quer a vida alheia. A partir do momento que ela deseja algo, ela faz o que for para ter: seja a última bolsa da moda, drogas ou Nate.

Como eu comentei no post anterior, eu não gostaria que ela ‘ganhasse’ o Nate, apesar de ser fã da Jenny (ela movimenta muito a trama, vamos combinar, né?). Em algum momento, ela vai ter que se ferrar pelo que faz e não vai bastar os castigos ridículos do Rufus. Tem que ser guerra!rsrs E é exatamente o que eu torço para que aconteça, porque se Serena partir pra cima da Little J vai ser com tudo e na companhia de Blair. Não vamos subestimar o poder de Serena: a menina praticamente inventou o Upper East Side way of life de festas, álcool, sexo e drogas.

As cenas do nosso casal preferido Chuck e Blair me comoveram. De verdade. Quase chorei com a decepção da Blair ao descobrir que Jack estava falando a verdade e Chuck tinha armado tudo para ela. Apesar da tristeza, foi muito bom para a série essa reviravolta de mostrar que o Chuck nunca deixou seu lado Bass insensível totalmente. A essência estava lá adormecida, foi só alguém cutucar…É triste, mas é verdade. Chuck não sabe se relacionar com ninguém, nem mesmo com a pessoa que mais ama. E agora, vai ter que aprender que nem sempre ganhar é legal. A Blair parece ter cansado. Talvez agora ela apareça mais na série em busca da sua experiência na faculdade.

Neste episódio também tivemos um pouco mais de sal na relação de Dan e Vanessa (da última vez nem comentei sobre eles). Pelo que entendi, eles vão disputar uma mesma vaga no tal curso de redação e a Vanessa nem contou ao Dan. Não sei se isso vai melhorar esse casal chatonildo, mas pelo menos eles ganharam uma trama!

Julianne Moore e Annete Bening vivem casal lésbico em novo filme. Trailer!

Julianne Moore e Annete Bening vivem um casal lésbico casado há alguns e com dois filhos. Cada uma das duas engravidou usando o mesmo doador de espermas. A vida em família vai muito bem até que seus filhos, interpretados por Mia Wasikowska ( a Alice de Tim Burton) e por Josh Hutcherson (o menino fofo de “ABC do amor-se não viu corre pra locadora ou pede para Paul Torrent!) decidem conhecer seu pai biológico e deixam as mães em parafuso.

O pai, vivido por Mark Ruffalo (de “Ensaio sobre a Cegueira” e “Ilha do Medo”), é um motoqueiro desleixado. O filme estreou no Festival de Sundance e a crítica foi só elogios dizendo que com muita graça o filme faz um retrato bacana da família moderna. O longa estreia no dia de julho nos EUA. Veja o trailer abaixo.

Gossip Girl S03E16: o episódio dos retornos

Vamos aos já usuais comentários de “Gossip Girl”, que continua a melhorar nesta terceira temporada depois de um início bem fraco. Agora, os personagens já estão mais situados e a história está bem amarrada. Acredito que o final da temporada vai ser bom e como a CW já divulgou teremos uma quarta temporada para aguardar ansiosamente. Se você não curte spoilers ou até mesmo a série já sabe: pula para outro post! 😉

O episódio desta semana, “The Empire Strikes Jack”, poderia facilmente ser chamado de “O Retorno”. Em mais um bom episódio de “Gossip Girl” tivemos a volta de vários personagens à trama. A mãe de blair, Elena Waldorf, que anda sumida há tempos, na verdade desde o episódio do Dia de Ação de Graças, reapareceu e trouxe com ela todo o glamour do Upper East Side. Elena não só agitou NY com seu desfile como de quebra ainda deu uma segunda chance à Jenny e trouxe Agnes também de volta (tá vendo como a história está bem amarrada?). Em meio a confusão de modelos e panos, Jenny tenta se redimir e esquecer do affair com Damien. Porém, ela aprontou muito no ano passado para ser esquecida por algumas pessoas e Agnes prepara uma vingancinha nada básica para Little J.

E como o episódio fala sobre retornos, eis que resurge (ou será que nunca deixou de existir?) o sentimento de Jenny por Nate. E não é para menos, o querido tá sempre pronto para subir no cavalo e ir salvá-la. Resta saber o que Serena vai achar disso. Sei que várias pessoas preferem ver Nate com Jenny e pode ser que dê certo, mas para mim só funcionaria se um dos dois perdesse sua essência. Ou Jenny deixaria sua ambição (que vamos combinar movimenta bastante a trama) de lado ou Nate perderia o lado príncipe. Mas para quem torce pelos dois, eu acredito que as coisas podem se complicar e quem sabe pode haver até mesmo um triângulo amoroso entre S, Nate e Little J. Tudo por conta da chegada do pai da loira (repararam que Lily não apareceu neste episódio porque estava com ele, né?), que promete movimentar bastante a vida de Serena.

Porém, o episódio desta vez não foi sobre Jenny e sim sobre Jack Bass e sua ganância. O tio de Chuck mostrou a que veio: infernizar a vida do sobrinho e recuperar o dinheiro que acredita ser seu. A trama envolvendo Chuck, Jack e sua mãe foi ótima. Primeiro nos vemos achando que ela é mãe e traiu o filho por dinheiro, depois ela diz que traiu por amor e a gente a odeia ainda mais. Ainda depois ela se arrepende, mas diz que não é mãe e a gente sente um alívio gigante: Chuck vai sofrer menos! Tudo isso para descobrir no final do episódio, que Elizabeth é sim a mãe de Chuck e não vale um mísero centavo.

Além de todos estes retornos, tivemos alguns retornos simbólicos, mas igualmente importantes. A Gossip Girl (a menina do blog que dá o nome a série, lembra?) voltou a ser mencionada depois de muito tempo e ao que parece vai voltar a interferir na trama. Volta muita bem vinda! Blair também parece que vai deixar de ser a namorada-pau-pra-toda-obra de Chuck e vai tentar se achar na Columbia, onde ela descobriu ser querida e desejada. Tchau, NYU! Já vai tarde! E nosso amado Chuck, vai deixar de lado o softside para retomar o ‘Dude, I’m Chuck Bass’ e juntar todas suas armas para recuperar seu hotel. Algo me diz que a coisa vai ficar ainda mais interessante. Oba!

True Blood ganha versão em quadrinhos

Para alegria dos fãs de “True Blood” (eu me incluo neste grupo, apesar do fim bizarro da segunda temporada), a série vai ganhar uma versão em quadrinhos. A editora IDW Publishing, responsável pelas HQs de “Jurassic Park”, anunciou na WonderCon que os quadrinhos inspirados na série serão lançados em julho durante a ComicCon.
As roteiristas do programa Elisabeth Finch e Kate Barnow escreverão também as histórias em quadrinhos com a colaboração de Alan Ball, criador da série, e de de David Tischman e Mariah Huehner.. Os desenhos ficam por conta de David Messina e J. Scott Campbell.

Inicialmente, a HQ terá seis edições de 32 páginas cada uma e custarão U$3,99. Na primeira edição, Sookie e os moradores de Bon Temps se encontram presos no bar Merlotte à espera de que uma tempestade melhore. Porém, eles descobrem que estão presos em uma armadilha de uma entidade que se alimenta de emoções e começa a matar para saciar sua fome.

Em vídeo, Alan Ball comentou que adorou a ideia dos quadrinhos porque nas HQs não existem limitações de tempo e orçamento, logo eles podem fazer mais coisas com a história (Veja o vídeo abaixo). A terceira temporada da série estreia no dia 13 de junho e o blog amigo “Tudo está rodando” costuma comentar. 😉

True Blood – A Message from Alan Ball: Comic Book Series

E se Pac-Man virasse um filme?

Já imaginou como seria um filme que contasse a história do game Pac-Man? Não? Os membros da  produtora de filmes Therfore Productions criaram um trailer para o que seria “Pac-Man- O filme”. O vídeo é inspirado em “Jogos Mortais” e conta como um empresário acaba preso em um labirinto e tem que comer pastilhas e fugir de fantasmas para salvar sua vida. Ideia sensacional!

PACMAN: THE MOVIE TRAILER from Therefore Productions on Vimeo.

Séries da ABC estarão disponíveis por stream no Ipad

Não é de hoje que a Disney/ABC mantém relações bem estreitas com a Apple e também não é à toa: Steve Jobs se tornou um dos maiores acionistas da Disney depois de comprar a Pixar em 2006. Desta vez a parceria das duas gigantes vai se estender para o Ipad ou prancheta digital que une computador, videogame, tocador de música e vídeo e leitor de livros.

Segundo reportagem da revista “Variety”, boa parte do conteúdo de séries da ABC estará disponível ao donas de Ipad por stream e de graça. As pessoas terão acessos a episódios completos de “Lost”, “Grey’s Anatomy”, “Modern Family” e outros. Além disso, conteúdo do canal de esporte ESPN e conteúdo infantil como o filme “Toy Story” também podem ser acessados pelos usuários do produto.

Veja o vídeo de demonstração aqui.

Nova detendora da Marvel Comics, a Disney também preparou um gadget especial para os amantes de quadrinhos, que poderão instalar em seu Ipad um leitor de quadrinhos.Além da ABC, o canal CBS também terá conteúdo disponível no Ipad, mas em quantidade bem menor. Por enquanto, apenas os episódios de “Survivor” poderão ser vistos por stream na prancheta “mágica” de Steve Jobs.

Esta é a parceria mais expansiva relacionada a um conteúdo televisivo.

%d blogueiros gostam disto: